Custo por visita: agora o anunciante só paga se o cliente for até a loja

Durante muitos anos, as principais modalidades de comercialização de campanhas mobile eram o CPC (cost per click, ou “custo por clique”) e CPM (cost per mille, ou “custo por mil impressões”).

Em ambas modalidades, os anunciantes pagavam por métricas do mundo digital. Para o dono de um e-commerce, por exemplo, faz todo sentido pagar por cliques em uma campanha que esteja promovendo uma queima de estoque, por exemplo. Mas, quando falamos do varejo físico, não faz muito sentido pagar por métricas digitais em campanhas focadas em performance.

Porém, até pouco tempo atrás, as tecnologias utilizadas para veicular campanhas digitais não eram capazes de entregar resultados que representassem de forma fiel o comportamento do consumidor no mundo físico, dificultando o cálculo do ROI ao final da campanha.

Aí, o mobile chegou e mudou tudo. A partir do momento em que a internet móvel entrou nas nossas vidas, a publicidade nunca mais foi a mesma. O Brasil, por exemplo, é líder do mercado mobile da América Latina.

Nossos smartphones se tornaram peças essenciais do nosso dia a dia. Geralmente, quando esquecemos os nossos dispositivos móveis em casa, retornamos imediatamente para buscá-los.

Por estarem conosco em todos os momentos, nossos celulares colhem um grande volume de dados sobre o nosso comportamento. Esses dados são valiosas fontes de informação para que as marcas possam nos impactar de forma contextualizada com as nossas vidas.

 Enquanto o uso dos smartphones aumentava por um lado, a tecnologia de geolocalização indoor da In Loco se tornou cada vez mais inteligente, o que garantiu a implementação de um modelo sustentável de precificação por Custo Por Visita, ou CPV.

Como o custo por visita vai mudar a publicidade mobile

 

É autoexplicativo: agora, as marcas só pagarão pelos anúncios que converteram em visitas aos pontos de venda. O número de pessoas que visitaram uma loja física é uma métrica central para os varejistas. 

A introdução desse modelo de comercialização reflete o crescimento da mídia geolocalizada no Brasil e a necessidade do mercado em validar o poder da publicidade mobile. O CPV é o primeiro capítulo de uma nova era onde a fraude na mídia digital será vigorosamente combatida.

Além disso, o CPV servirá como um termômetro que mede a efetividade dos esforços dos varejistas em transformarem a experiência do consumidor em seus pontos de venda. Quanto mais interessante for a experiência dentro da loja, mais gente terá interesse em visitar o ponto de venda. Simples assim.

André Ferraz é CEO da In Loco Media

*O propmark não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Receba nossa newsletter

editora referência

O PROPMARK é uma publicação da Editora Referência.
Conheça também nossas outras marcas, prêmios e eventos.

Prêmios e Eventos

Publicações