FÁBULAS CABULOSAS

ob-lá-di, ob-la-dá

Estavam Catacrese e Anáfora conversando nas linhas de um texto que certo cronista escrevia à moda antiga, num bloco de notas usando lápis número dois.

- Quer saber? Eu vejo a tua importância muito maior que a da Metáfora de que tantos falam - declarou a Anáfora.

Prosopopeicamente, a Catacrese enrubesceu ao agradecer:

- Valeu, Ana. Eu também acho exagerada toda a puxação de saco em cima dessa figurinha.

Anáfora chegou perto da Catacrese. Tanto para falar mais intimamente, como para deixar espaço para o grafite do cronista que corria pela mesma linha em que as duas se equilibravam. 

- É lobby… A Metáfora é marqueteira desde o tempo em que o Shakespeare escrevia quadrinhas. Mas queria ver texto sincopado sem você. 

- Deixa pra lá, suavizou Catacrese. Dá pra enganar muita gente por muito tempo, mas não dá pra enganar todo mundo o tempo todo. Um dia me reconhecem.

- Seria justo! - asseverou a outra. Não tem linguista aí que te chama de Metáfora Obrigatória? 

- Ô se tem, a maioria se refere a mim desta maneira, concordou a figura de linguagem. É porque estou tão no dia a dia das pessoas que já me incorporei ao idioma. Tipo “braço da cadeira”, sabe? Todo mundo fala no automático.

- Pé da mesa, dente de alho, cabeça do prego, asa da xícara. Quem é que nunca usou você? Catacrese é lenda, amiga! - animou-se a Anáfora. 

Mas como elogiar e coçar basta começar, a Catacrese logo devolveu o aplauso: 

- Sem confetes, mas você também é demais. O que seria do texto poético sem a tua repetição de palavras? 

- Pô, assim fico sem graça, Cata.

- Deixa de ser boba! Sem Anáfora não existiria, por exemplo, essa beleza do Luís de Camões…

A Catacrese levou a mão ao peito e começou a recitar com emotividade:

- Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer, é um não querer mais que bem querer.

Naquele momento passaram na linha de baixo do texto Anacoluto e Polissíndeto. Catacrese não se conteve e perguntou de um jeito malicioso:

- E esses dois aí, hein?

Anáfora foi maldosa:

- Ih, nem me fala. O Anacoluto, você sabe, é praticamente linguagem falada, rodou na norma culta. E o Polissíndeto, tadinho, vive me plagiando. Só que não tô nem aí, tem Gramática por aí que chama Polissíndeto de Anáfora.

- Fracassados… - concordou a Catacrese.

Nesse instante, o cronista pegou a borracha e, num impulso, apagou a composição inteira. 

MORAL: ser uma figura de linguagem não garante que você seja uma figura importante.

 

*O propmark não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Receba nossa newsletter

editora referência

O PROPMARK é uma publicação da Editora Referência.
Conheça também nossas outras marcas, prêmios e eventos.

Prêmios e Eventos

Publicações