Em um cenário onde o distanciamento social é uma das medidas mais efetivas para o combate a Covid-19, como os corredores mundo afora foram impactos pela pandemia? O levantamento #RunToFeel, da Asics, ouviu mais de 14 mil corredores em 12 países para avaliar como a pandemia influenciou seus hábitos em relação ao esporte.

Para 75% da população, o exercício físico se tornou muito importante no período de quarentena. Entre os chineses, a percepção foi mais elevada: 89% enquanto o Brasil ficou um pouco acima da média global, com 76%.

Os números apontam ainda que mais de um terço dessas pessoas (36%) estão mais ativos agora do que eram antes do início da quarentena – apesar de a maioria dos esportes ser paralisada por medidas de distanciamento social. O estudo também relatou um aumento global de 62% pessoas saindo para correr uma vez por semana. Comparado ao mesmo período do ano passado, houve um aumento de 47,3% (globalmente) no número de pessoas correndo. Vale lembrar que na maioria dos países não foi proibida a prática de exercícios, exceto regiões onde houve o chamado lockdown, como na região da Lombardia, na Itália, por exemplo.

Como uma das principais formas para manter a saúde mental no período de pandemia, como apontado por 81% da população, o papel do esporte vai ganhar ainda mais relevância após a pandemia. Globalmente, 78% das pessoas acreditam nessa maior relevância, enquanto no Brasil o número chega a 91% no Brasil.

Mesmo passada a crise, 59% da população diz que adaptará a nova rotina de atividade física. Nesse sentido, o Brasil está entre os três países que mais devem se manter ativos, o equivalente a 70%, ao lado da China, além da Índia com 79% da população.

O estudo ouviu corredores da Austrália, Brasil, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Rússia, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

Publicidade