Senta que o tigre é manso

Durante uma filmagem da Esso, o tigre tinha fugido, abandonado a vida artística

Você está num restaurante em Santa Tereza, no Rio de Janeiro, na terceira caipirinha, vendo o mar lá em baixo, o perfil das montanhas e pensando que, seja lá como for, não existe cidade mais bonita no mundo. As pessoas são lindas, como se pode observar aqui mesmo no restaurante. Aquela moreninha lá no fundo, as duas louras perto da palmeira, a de vestidinho azul atrás do tigre. Atrás do tigre?! Putaqueopariu! Tem um tigre andando no restaurante! Eu não bebi tanto assim! Esta porra deste tigre já almoçou? “Tem um tigre nesta merda!” Foi assim que um dos fregueses descobriu que, durante uma filmagem da Esso, o tigre tinha fugido, abandonado a vida artística e provavelmente resolvera virar garçom. Isso muito antigamente, no tempo que o Daruiz, hoje diretor da Band no Rio de Janeiro, trabalhava na Esso. O estúdio era em Santa Tereza e foi no bairro que o tigre resolveu gozar a liberdade. Não se sabe se pela vista ou pelo cheiro da comida, entrou num restaurante. Era um sábado e a casa estava cheia. Os mais sóbrios saíram correndo, muitos prometeram a si mesmos deixar de beber e um pai achou que era uma atração da casa para crianças e por pouco não foi comido, já que a mãe pulou pela varanda, com o filho no colo, e aterrissou sã e salva numa saliência logo abaixo. O treinador pedia aos gritos que ninguém fizesse mal ao tigre, como se alguém pudesse fazê-lo.

Note-se que a história é velha e naquela época malfeitor dos morros cariocas andava armado de no máximo um trezoitão, que faz cosquinha num gato que pesa toneladas, acostumado a comer um boi de café da manhã. Naquele tempo não havia armamento que pudesse enfrentar tigres. O treinador, além de um chicote barulhento, tinha uma espingarda com injeção de calmantes que punham o bichão para dormir em segundos. Pela zoada que provocou no restaurante foi fácil achar o bicho, que nem precisou da carga de remédios e se deixou dominar com facilidade e entrou na jaula.

Não existiam celulares e com todo mundo naturalmente em pânico, não deu para registrar a cena, para que Daruiz pudesse provar que chegou tarde em casa por estar atrás de um tigre fujão, a melhor desculpa jamais usada para se chegar domingo quase de manhã todo amarfanhado. Como se não bastasse, algum tempo depois a Esso participou da Feira do Carreteiro, em Guaratinguetá, tendo como principal atração de seu stand, quem? O tigre! Como essa festa é para a família, os expositores procuram atender a todo mundo, especialmente as crianças, pois quem agrada meus filhos, adoça minha boca. Vai daí que um outro expositor teve a brilhante ideia de disponibilizar para os filhos dos carreteiros (e carreteiras, claro) alguns burrinhos bastante mansos, que passeavam com as crianças por toda área da festa. Sem contar que havia um presépio montado com boizinhos, vaquinhas e cabras junto a José, Maria e Jesus.

Tudo muito lindo, muito alegre, até que o tigre, símbolo de força, agilidade e poder, cumpriu seu papel e deu um urro. Daí o bicho, literalmente, pegou. Burros, vacas, cabritos, podem quase virar gente, mas sua natureza não se perde. Esses animais sabem que são caça desde os tempos imemoriais. Bastou o primeiro urro do tigre, até mesmo por fastio, que o resto da bicharada reconheceu o perigo. Tudo que tem pena, pelo, focinho ou bico ouviu o aviso de perigo vindo de gerações que a domesticação não conseguiu apagar da memória e se puseram a correr e voar, cada um manifestando medo em sua linguagem, numa algaravia de enlouquecer. Claro que à horda dos bichos, seguiram-se crianças, pais e mães, que, mesmo sem saber exatamente do que estavam fugindo, corriam de um lado para outro. O serviço de alto-falante berrava o mais inútil de todos os comandos: “calma minha gente!”. Jamais, em toda história, uma multidão diante desse apelo se aquietou. O locutor, sem saber o que dizer, foi definitivo: “foi apenas o tigre que urrou!” O que ele esperava? Que todo mundo pensasse “Ah! Bom!... foi só o tigre...”. Daí a correr o boato que o tigre já tinha comido umas dez criancinhas foi um pulo. Resultado: a mais inesquecível festa jamais realizada.

Lula Vieira é publicitário, diretor do Grupo Mesa e da Approach Comunicação, radialista, escritor, editor e professor (lulavieira.luvi@gmail.com)

*O propmark não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Receba nossa newsletter

editora referência

O PROPMARK é uma publicação da Editora Referência.
Conheça também nossas outras marcas, prêmios e eventos.

Prêmios e Eventos

Publicações