Grafites transformam calçadas em muros para promover acessibilidade

Iniciativa da Z+ para a ONG Movimento SuperAção espalha obras em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife

Reprodução

De acordo com o último censo demográfico publicado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2010, mais de 45 milhões de pessoas declararam ter ao menos um tipo de deficiência, e enfrentam diversos problemas relacionados a acessibilidade e mobilidade.

Ainda segundo o mesmo estudo, em São Paulo, por exemplo, que é a maior metrópole do país, apenas 9% das calçadas possuíam rampas até aquele ano. Para dar visibilidade a essas questões, a agência Z+ desenvolveu para a ONG Movimento SuperAção o projeto “Sem Rampa, Calçada é Muro”.

A iniciativa reuniu nomes do grafite para levar suas obras a meios-fios de bairros de São Paulo. Participaram da ação os artistas Apolo Torres, Bruno Mazola, Clara Leff, Chivitz, Dinas Miguel, Feik, Felipe Palacio, Ignoto, Mazola Marcnou, Minhau, Negritoo, Ojos Blancos, Tarik e Tito Ferrara. Confira:

Após sua implantação, o projeto está sendo replicado ainda no Rio de Janeiro e Recife. “A ideia nasce da premissa de que para o cadeirante uma calçada é um muro. E, se é um muro, cabe um grafite. Dessa forma, não estamos somente chamando atenção para o problema como também mapeando os pontos que precisam ser adaptados para garantir acessibilidade a todos”, explica Alexandre Vilela (Xã), CCO da Z+.

“Num mundo onde há uma infinidade de informações para chamar a nossa atenção, o projeto direciona a atenção do cidadão, de forma lúdica e artística, para um importante ponto que é a acessibilidade arquitetônica da cidade. A arte é uma das mais belas fontes de contato entre o ser humano e ele mesmo. Estamos fomentando a inclusão de uma forma que só a arte é capaz. Precisamos acessar a emoção dos cidadãos, pois só a razão não tem sido suficiente”, acredita Billy Saga, presidente da Movimento SuperAção.

A ação conta ainda com um perfil no Instagram, o @ calcadaemuro, que divulga todos os grafites já realizados e suas localizações.

View this post on Instagram

Apenas 9% das calçadas de SP são acessíveis. Para um cadeirante, calçada sem rampa é muro. Nós levamos os graffitis das paredes da cidade para esses muros que só os cadeirantes conheciam. Esse saiu da fábrica de gatos da @minhau_sp , que já é de casa. Numa #calçadaémuro ali da rua Pascal com a Gil Eanes, no Campo Belo/SP. A partir de um novo ponto de vista, vamos juntos promover a reflexão. Sua calçada também é muro? Se engaje, faça sua arte, compartilhe! Baixe o stencil #calçadaémuro (link na bio). #graffiti #SPlovers #SP #cidadania #artederua #acessibilidade #cidade #pintura #movimentosuperacao #billysaga #cadeirante #tinta #arteurbana #spray #trending #calçada #streetart #urban #urbanart #Reflita #Revele #saopaulowalk

A post shared by SEM RAMPA, CALÇADA É MURO (@calcadaemuro) on

*O propmark não se responsabiliza pelos comentários postados nas plataformas digitais. Qualquer comentário considerado ofensivo ou que falte com respeito a outras pessoas poderá ser retirado do ar sem prévio aviso.

Receba nossa newsletter

editora referência

O PROPMARK é uma publicação da Editora Referência.
Conheça também nossas outras marcas, prêmios e eventos.

Prêmios e Eventos

Publicações