O festival de publicidade Cannes Lions dará o Leão de São Marcos 2020 a Mary Wells Lawrence.

Fundadora da agência Wells Rich Greene em 1966, ela foi a primeira mulher a administrar uma grande agência. No primeiro ano, eram 100 funcionários e US$ 39 milhões em faturamento. Em 1976, com US$ 187 milhões de faturamento, a agência tinha como clientes Procter & Gamble, Trans World Airlines, Miles Laboratories, Philip Morris, Bic Pen Corp., Ralston Purina Co., White-Westinghouse Electric Co. e Sun Oil Co.

De acordo com o New York Observer, a agência era responsável por criar anúncios que “gravavam frases indeléveis na imaginação do público”, por exemplo com o slogan “I ♥ Nova York”.

Em 1971, Lawrence foi nomeada Mulher de Publicidade do Ano pela Federação Americana de Publicidade e, em 1999, foi incluída no Hall da Fama da Publicidade Americana. Sua autobiografia, A Big Life (in Advertising), foi publicada em 2002.

Philip Thomas, Presidente do Cannes Lions, comenta a escolha da profissional. “Sua capacidade de injetar entretenimento e criatividade em sua publicidade a transformou a reputação e as receitas de muitas marcas em dificuldades e, como resultado, conquistou enorme respeito e admiração por parte da indústria. Estamos emocionados por apresentar uma verdadeira lenda com o Leão de São Marcos”, diz.

Mary Wells Lawrence também falou sobre o reconhecimento. “A consciência do tempo em que você está é o cerne de qualquer negócio de persuasão, mas acho que minha força particular é minha crença na paixão – preocupando-me obviamente e emocionalmente com a importância do que estou vendendo”, afirma.

Ela será homenageada por meio da plataforma Lions Live na sexta-feira (26) de junho.

Em 2019, Jeff Goodby e Rich Silverstein, fundadores da Goodby Silverstein & Partners, foram homenageados. O troféu já foi concedido a John Hegarty, Dan Wieden, Lee Clow, Joe Pytka, Bob Greenberg, David Droga, Piyush Pandey, Prasoon Pandey e Marcello Serpa, único brasileiro na lista.

Publicidade