A Humane Society International (HSI) se uniu a cineastas e estrelas do cinema de Hollywood para pedir o fim dos testes de cosméticos em animais. Embora proibida em 40 países, a prática é legal em muitos lugares e segue ssubmetendo milhares de animais ao sofrimento e morte.

O curta-metragem #SaveRalph foi feito em stop-motion e mostra a rotina de um coelho usado em procedimentos em nome da beleza. Ele descreve cicatrizes, problemas de saúde e outras consequências de ser usado para testes em laboratório. “Fazemos isso pelos humanos, certo, que são muito superiores a nós animais. […] Eu sou uma cobaia. Meu pai foi cobaia, minha mãe, meus irmãos, minhas irmãs, meus filhos. Todos vão morrer fazendo esse trabalho, do mesmo jeito que eu vou morrer”, diz Ralph pouco antes de ir “trabalhar”.

Campanha global tem o apoio e a participação de celebridades como Rodrigo Santoro, Zac Efron, Olivia Munn, Taika Waititi, Ricky Gervais, Pom Klementieff, Maggie Q.

Eles emprestam suas vozes ao filme, que tem como objetivo envolver consumidores e políticos na missão de banir a prática. O roteirista e diretor Spencer Susser (Hesher e O Rei do Show) e o produtor Jeff Vespa (Voices of Parkland) se associaram ao estúdio Arch Model, do criador de marionetes Andy Gent. A versão brasileira foi dublada por Santoro.

Segundo Jeffrey Flocken, presidente da Humane Society International, #SaveRalph é um alerta de que os animais ainda estão sofrendo na indústria de cosméticos e que é tempo de parar. “Hoje temos uma oferta abundante de produtos confiáveis que são livres de testes em animais e com abordagens que garantem sua confiabilidade. Não existe mais desculpa para fazermos animais como Ralph sofrerem para que a indústria possa testar seus ingredientes”, acredita.

O filme apresenta a campanha da HSI a partir do coelho falante Ralph, dublado por Rodrigo Santoro, sendo entrevistado enquanto vai para sua rotina diária de trabalho como cobaia em um laboratório toxicológico. A campanha da HSI aborda a questão perturbadora do teste em animais de forma original e inesperada, usando a história de um coelho para evidenciar a situação de incontáveis coelhos e outros animais que estão sofrendo em laboratórios ao redor do mundo. O filme envolve os espectadores para que todos possam se engajar e ajudar a banir os testes em animais de uma vez por todas”, diz.

A campanha é focada em 16 países prioritários, incluindo Brasil, Canadá, Chile, México, África do Sul e 10 nações do sudoeste asiático. As organizações parceiras são Humane Society dos Estados Unidos e Humane Society Fundo Legislativo, focada em legislação americana. A instituição também está levantando lugares que já estão com a proibição em vigor, como na Europa, onde autoridades estão tentando explorar uma brecha legal para pedir novos testes em animais.

De acordo com Antoniana Ottoni, Relações governamentais da HSI no Brasil, a discussão a respeito do banimento dos testes de cosméticos em animais já dura quase 10 anos no Brasil. “Nós recrutamos Ralph como nosso porta-voz para ajudar essas leis a ultrapassarem a linha de chegada. E líderes da indústria, como Lush, Unilever, P&G, L’Oréal e Avon estão trabalhando conosco para reforçar que mais nenhum animal precise sofrer ou morrer por conta de testes de cosméticos. Agora, nós convocamos todos os Senadores para votar urgentemente pela lei PLC 70/2014 e pôr um fim nessas práticas cruéis e desnecessárias”, afirma.

O site do projeto tem ainda materiais educacionais sobre o status atual de testes em animais e uma petição para exigir que as autoridades brasileiras apoiem as medidas propostas pela campanha #LiberteSeDaCrueldade, pela proibição de testes cosméticos em animais e a venda de cosméticos testados desta forma.

Segundo a HSI, entre os testes que os animais são submetidos, coelhos são amarrados pelo pescoço, tendo produtos cosméticos e seus ingredientes sendo pigados em seus olhos e na pele raspada de suas costas. Já porquinhos da índia e ratos têm químicos espalhados em suas peles raspadas ou orelhas. Eles não recebem alívio de dor são mortos no final.

Os testes em animais para cosméticos foram banidos em 40 países, entre eles Índia, Taiwan, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Guatemala, Austrália e 10 estados do Brasil. Testes também foram proibidos na Turquia, Israel, Noruega, Islândia, na Suíça e nos estados americanos California, Illinois, Nevada e Virginia. Outros cinco (Nova Jersey, Maryland, Ilha de Rhode e Nova York) estão considerando projetos de leis. A União Europeia baniu todos os testes de cosméticos em animais em 2013, mas a European Chemicals Agency está exigindo das companhias novos testes em animais de químicos usados exclusivamente em cosméticos.

Confira a versão em português no perfil da Humane Society International no Facebook. E em inglês abaixo no YouTube.