O mercado da comunicação se agitou na última segunda-feira (30), com a notícia de que Anitta seria a nova head de inovação e criatividade da marca Skol Beats.

A notícia dividiu opiniões. No Twitter, houve quem alertasse para o fato:

Outros destacaram que o mercado está mesmo concorrido:

Mercado tá concorrido mesmo, até cantora tá disputando vaga.

Posted by Ian Carneiro on Monday, September 30, 2019

Goste ou não, o fato é que o movimento da Ambev, capitaneado pelo VP de marketing Ricardo Dias, deu o que falar e gerou muito mídia para a marca. Se as criações de Anitta darão certo, aí já é outra história.

Konrad Dantas (Divulgação)

Porém, o movimento é semelhante a outros exemplos históricos. Desde fevereiro de 2019, por exemplo, Konrad Dantas, fundador do canal KondZilla, assumiu como diretor criativo da marca de vodca Orloff. À época, a empresa disse que o objetivo é “misturar diversos gêneros, pessoas e culturas”.

Em 2013, Justin Timberlake ocupou a liderança criativa da marca Bud Light Premium. O cantor pop promoveu o produto junto ao lançamento do single “Suit & Tie”.

Assim como Anitta, outras artistas mulheres mostraram sua capacidade criativa para ajudar marcas. Alicia Keys, por exemplo, foi contratada em 2013 como diretora global de criatividade da Blackberry, mas deixou o cargo após uma polêmica: tuitou com um iPhone.

(Reprodução)

Outra parceria que não deu lá muito certo foi de Lady Gaga com a marca Polaroid. Iniciada em 2011 e terminada em 2014, a colaboração entre cantora e empresa gerou alguns comentários.

Gaga desenvolveu, por exemplo, um óculos com telas Oled para que o público pudesse tirar fotos e gravar vídeos e exibi-los na própria lente. Se você está imaginando qual a serventia disso, não se espante. Foi exatamente o que o público questionou à época.

A parceria era tão inimaginável que gerou um vídeo clássico em que Kanye West contesta a capacidade criativa de Gaga como diretora criativa da Polaroid. De um jeito, digamos, bem Kanye West:

Em 2011, Will.I.Am foi diretor criativo da marca Intel. À época, sua missão foi ajudar a empresa a inovar a forma como música e outras mídias seriam usadas em smartphones e tablets.

A parceria também gerou comentários e muitos não a levaram a sério. O vídeo abaixo é uma prova disso. A edição tenta mostrar como Will não sabia muito o que fazer à frente da direção criativa da marca.

Obviamente, nem toda parceria acabou mal. Como diretor criativo da Diet Coke, o estilista norte-americano Mar Jacobs foi elogiado por suas criações no período. Tudo foi feito para celebrar os 30 anos da marca.

(Reprodução)

Já Lenny Kravitz é o atual diretor de criação global da marca Dom Pérignon. Um dos últimos trabalhos do cantor foi desenvolver o design desta coleção:

O rapper Jay-Z também virou diretor criativo de uma marca. O marido de Beyoncé assinou com a Puma, que retomou sua linha focada em basquete. O acordo aconteceu pouco depois da mesma empresa se aliar à Rihanna.

Jay-Z é diretor criativo da Puma (Reprodução/Youtube)

No caso da cantora, o acordo prevê a supervisão criativa de toda a linha feminina.

Lembra de outro artista que virou diretor de criação de alguma marca? Comente.